Avião, 04 de janeiro de 2014

Avião, 04 de janeiro de 2014 (como é estranho escrever “2014”)

Querida Amélie,

Caramba, estou frustrada! Acho que essa seja a palavra que eu esteja procurando para descrever como estou meu sentindo agora. Desculpe começar assim uma carta para você, mas deixe-me explicar: estou em um voo entediante para Maringá, uma cidade no Paraná para visitar familiares tentando a todo custo vencer a chatice que deve durar uma hora. Pensei em escrever sobre mil e duas coisas: como nós, seres humanos, nos achamos superiores às outras espécies, como uma amizade pode simplesmente acabar com algumas palavras, como algumas pessoas são especiais em nossas vidas, como eu estou me sentindo em me mudar de colégio (de novo), ou sobre o depoimento de um serial killer. No final, decidi escrever para você.

Ando meio desestimulada pra escrever, não sei o motivo disto, só sei que, dos milhares de temas existentes na terra, nenhum deles me faz querer continuar escrevendo. Bizarro isso, não? Vejamos, eu poderia encher sua mente sobre a minha opinião política, ou se eu concordo ou não com a Copa. Poderia falar sobre o fato de que há pessoas que simplesmente não têm o mínimo de educação, ou sei lá, eu acho que esse avião vai cair.

Já faz muito tempo que não escrevo. Há tempos estou tentando, mas nada de satisfatório é extraído da minha mente. Talvez seja porque estou muito agitada. Não, não estou praticando muito exercício físico. Para ser verdadeira, nenhum. Minha rotina nas férias foi reduzida a: acordar, tomar café da manhã, ir ver TV, almoçar, ler um livro, facebook, lanchinho da tarde, banho, irritar minha irmã, brincar com o gato, jantar, ver TV, comer mais um pouco e dormir. Emocionante, não? Acho que estou agitada porque estou com medo, mas ao mesmo tempo, estou confiante. Estranho essa mistura de sentimentos dentro de uma pessoa só. Foram muitas emoções esse ano (acho que devo dizer ano passado?): mudar para São Paulo, entrar em um colégio totalmente desconhecido, conhecer pessoas muito diferentes e com culturas que para mim são exóticas. Adotar um gatinho, familiares doentes, conhecer novas religiões.

Resumindo, acho que estou agitada por dois motivos: 1) a mudança de colégio. Estou apostando todas as minhas fichas nele. Espero que aquele seja a escola da minha vida. Nos dois últimos colégios que eu passei, apelidei eles de inferno e prisão. Quero que ano que vem, quando me perguntarem onde eu estudo eu diga com orgulho o nome dele e não com pêsames. 2) Lembra que eu te contei que conheci algumas pessoas da minha família que são incríveis? Eles são pessoas que você pode sentar e conversar a tarde inteira sobre todos os assuntos existentes e polêmicos, como política, religião e futebol. Pessoas divertidas e animadas sempre. Eles estão passando por alguns problemas de saúde sério. Mas, sei lá, tenho muita fé que tudo dará certo! Simplesmente sinto que tudo está acontecendo porque deveria ser assim, mas o final dessa história parece-me ser um final feliz nos padrões “humanos”.  

Bem, acabei esquecendo os bons modos… como você tem passado? E a dona Márcia e o seu Carlos? E o gatinho que vocês adotaram? Está se comportando? Espero notícias suas. Ahhh!!! Feliz 2014!

Beijos e abraços,

Giu. 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s